quarta-feira, março 07, 2007

O direito à balela

Em primeiro lugar, serve o presente (post), para confirmar que eu existo. Não porque penso! Isso era lá coisa do Descartes que, não contente em acreditar que o facto de pensar lhe confirmava a existência, ainda se deu ao trabalho de criar a célula embrionária do liberalismo (mal ele sabia o que isso ia dar...)!
O Damásio, diz agora que ele estáva errado, que as coisas são ao contrário, que o facto de existir implica multidões de células que tendo em vista manter a vida, determinam os pensamentos e não sei quê dos quânta, enfim...
...Ao afirmar que existo, em simultãneo, acredito e admito que não penso! ...Quer dizer: enquanto individuo, sou um mero instrumento que articula palavras, tecla letrinhas e dá azo à expressão de 600.000 biliões de células que me compõem a existência, animada por uma energia que me transcende. Quer dizer: existo, mas não penso. Cabe-me escutar essa multidão, as suas necessidades e anseios e, reduzindo-me à minha magnânima insignificância, seguir para onde a voz que ouço me aconselha.
Não será isto, que os pressupostos donos do Mundo, deveriam fazer?!

6 comentários:

Miss Alcor disse...

Ai que complicação... existo, não existo, penso, não penso...

Portanto, segundo as últimas, pensamos porque é uma defesa para garantir a sobrevivência!

Acredito que sim. Afinal, pelos vistos (segundo as últimas teorias cientificas!) tudo o que fazemos tem o fim último de garantir a sobrevivência da inteligência e portanto está determinado a ser feito!

Segundo a minha perspectiva, andar por este mundo sabendo que tudo o que fazemos está determinado não é o melhor incentivo! Mas às vezes mais vale não pensar muito nisso, fazer de conta que não sabemos e continuar a aproveitar aquilo que a vidinha tem de melhor!

herético disse...

os donos do Mundo pensam mal e sentem pouco...

abraços

croqui disse...

600.000 biliões de células que compõem a existência, logo, existo!


;-)

os pressupostos donos do Mundo são tudo menos donos do Mundo!

herético disse...

abraços...

uivomania disse...

Miss Alcor:
O António Damásio, no "Erro de Descarte", aventa a hipótese de as ideias não serem inteiramente formuladas no cérebro. Segundo essa corrente, a existência não é consequência do pensamento, uma vez que este, será muito mais o produto da "vontade" que expressa as necessidades de 600.000 bilióes de células que nos compõem o corpo físico.

uivomania disse...

Herético:
Realmente, os "donos do mundo" (se é que o Mundo tem dono), pensam mal e sentem pouco! Andam muito entretidos a ver se apanham a cenoura e nem se apercebem de que têem o mundo na mão!

Razão tem o croqui! Os pressupostos donos, são tudo menos donos!
Para se ser dono, deve-se cuidar do que dizemos ser nosso.