terça-feira, fevereiro 27, 2007

O direito à escravidão

Depois de duras batalhas, tinha conquistado o direito à escravidão!
Agora, finalmente, era escravo de um cartão... dourado, e não cabia em si de contente por finalmente se sentir gente com crédito, quase ilimitado!
Era um escravo consciente. Sabia perfeitamente o preço a pagar para poder contar com o ovo no cú da galinha. E dispunha-se a trocar as loucas euforias do consumo com que se afirmava como gente e fazia babar de inveja uns quantos, por previsíveis maus momentos em que sentia a ansiedade a disparar ao ver acumular uma mensalidade após a outra, juros altíssimos, comissões de atraso absurdas, impostos de selo...
O que mais lhe custava, eram os telefonemas inconvenientes daqueles agentes de call center que iam endurecendo o discurso e lhe apertavam o cerco asfixiando-lhe o ego!... Agentes de palavra dura e fria a raiar a má criação, assalariados de gente mesquinha que só pensa em dinheiro, de agiotas maquievélicos que contam com os imprevistos de quem conquistou o direito a ser escravo de um cartão dourado.
Nesses momentos, insurgia-se, revoltava-se, ficava ressentido, sentia-se injustiçado por saber já ter pago o dobro do que tinha gasto, em comissões de atraso. Fechava os olhos, e pensava para consigo se não haveria quem pusesse ordem nesta agiotagem. Depois... depois, foi o milagre! Abriu a carta... e... lá dentro, vinha um cartão de platina!...

2 comentários:

Miss Alcor disse...

Brilhante!!!

É exactamente assim que algumas pessoas vivem a vida hoje! Culpa dos bancos, culpa do consumo, culpa da falta de neurónios... a resposta não sei, mas a vida deve ser vivida de acordo com o provérbio que a minha mãe sempre me ensinou: "compra apenas aquilo que tiveres dinheiro para comprar!"

Adorei este post! Parabéns!

herético disse...

ainda há gente feliz.sem lágrimas nem revoltas. embrulhados num cartão de platina, claro.

excelente texto. abraços