quinta-feira, novembro 01, 2007

Obesidade neural

Recuando na história do chamado "Mundo civilizado", encontramos a fome, como um dos maiores males. De tal forma instituída, que o facto de trabalhar de sol a sol não garantia ficar a salvo dela.
Os mais criativos, fintavam-na à base de sopas mais ou menos deslavadas, ervas do campo com ou sem cheiro, açordas e papas e, uma vez por outra, restos de animais que os senhores feudais podiam entender como lixo.
Por via dessa miséria, a cozinha tradicional foi enriquecendo e hoje, a classe média assim assim alta, dividida entre a nostalgia e a sofisticação, esfalfa-se a galgar estrada em busca de açorda alentejana, sopa de cação, e coisas assim...
Entretanto, a maioria, os pobres do mundo rico, tiram a barriga de misérias ancestrais, esconjuram velhas estórias de sardinhas a dividir por quatro, sacos de pão duro fechados à chave... enfardando entremeada aos quilos com muita batata frita, costoletões de novilho, salsichas, hamburgueres, sobremesas... tudo com muitos molhos, em busca de certezas de se estar atestado!
A indústria alimentar, com a necessidade generalizada de produzir e vender mais, estimula e acompanha a coisa e todos os dias cria novos produtos e estimula o consumo. Pouco importa a substância. Privilegia-se o sabor, a abertura fácil, a preparação instantânea.
Aumentam os obesos, os diabéticos, os hipertensos, os cardíacos, os fígados hipertrofiados, as industrias do diagnóstico, as salas de cirurgia. Lipoaspira-se, desentope-se, corta-se e encolhe-se. A industria farmacêutica não tem mãos a medir...
Vêm isto a propósito, da obesidade neural. ...É que a doida correria para fazer dinheiro chegou à cultura, à informação, à formação!...
Alimenta-se o neurónio com carradas de substâncias de todos os sabores e cores, mas, sem substância. E a oferta é tal que o neurónio atarantado de tanta fartura, habituado a consumir sem questionar... encharca-se em não notícias, sem mastigar, coisas vindas do nada para vender, deixar um gostinho na boca (do neurónio) e, sabe-se lá que mais. E ele é livros e filmes, documentários publicitários, teorias de esquina atestadas por cientistas de serviço...
Depois, claro... o neurónio incha, fica enfartado, esgotado, sem espaço para mais nada...
Dir-se-à, que tudo isto tem a ver com manipulação, interesses mais ou menos obscuros, golpes baixos da política económica e tal... mas, não será chegado o tempo de começar a verificar o que se leva à boca? De mastigar mais devagar?
È que, se esperamos que quem nos vende frangos de aviário - cada vez mais baratos e tenrinhos -, vá deixar de o fazer por ter metido a mão na consciência... bem podemos esperar sentados.

4 comentários:

herético disse...

diz-me o que comes, dir-te-ei quem és! a cozinha é uma "fala", como alguém escreveu.

... coincidência feliz : também falo de consumo no meu blog.~

abraços

PoesiaMGD disse...

Eu achei este texto o máximo!
Um abraço

http://www.escritartes.com/forum/index.php?referredby=3

uivomania disse...

Herético:
Nunca é demais falar de consumo, de comida e da necessidade de mastigar muito bem.

uivomania disse...

Poesiamgd:
É sempre bom ter uma poetisa por perto. Vou vasculhar o teu blog.