quinta-feira, março 26, 2009

Uma ficção extrapolante!

Talvez tenha sido uma virose! ...Uma misteriosa mutação genética em cadeia... uma metamorfose!...
Talvez tudo não tenha passado de um acaso! ...De um acaso puro, ou de um acaso por necessidade...
A verdade, é que os habitantes, de repente, como que acordaram!
No princípio, era estranho.
...Começaram a aparecer vasos de flores nos parapeitos das janelas... nas ombreiras das portas... na orla dos passeios... Começaram, a notar-se esboços de sorrisos... a descobrirem-se afectos... a exercerem-se cuidados...
Todos queriam aperfeiçoar o desempenho; como num coro, queriam entrar em uníssono.
Cada um sentia ter representado todos os papeis, sentia-se existir em todos os lugares e, podia reconhecer o seu coração a bater em todos os peitos! ...Sentia ter tido em si o ateu e o fanático religioso, lembrava-se de ter sido a vítima e o bandido...
Ninguém podia dizer não ter dado por nada. Todos, estavam surpreendidos com a mudança e, não sabiam se o facto de cada um mudar era causa ou consequência de tudo ter mudado!
...Por acaso ou por necessidade, o facto é que cada um se foi reconhecendo em todos os outros e ninguém mais, aceitou ficar indiferente.

4 comentários:

yulunga disse...

Isso deve ter sido à "long time a go". Mas também acredito que finalmente se começa a fazer luz e que caminhamos para um cenário idêntico.

Graza disse...

Lindo, não. Lindíssimo!...

uivomania disse...

Yulunga, Graza:
Só me ocorre dizer:
Vois Sur Ton Chemin.
...Influências do Bernardo...

Beach Hobo disse...

LOL! Olha, quem diria... :)

Não é tão ficção assim..e entregar-se apaixonadamente a tudo quanto se toca deixando lá um pouco de si é fantástico! (At least 4 some of us)