sábado, julho 09, 2005

Razões submersas

Sem saber como, foi dar com a imaginação a galope transpirando libido. Solta, ia dando corpo a saudades, dos seios aveludados em que em tempos repousara e se sentira, protegido. Seios, que acariciara sem culpa nem maldade... entregue ao puro gozo a que nesses tempos se permitia.
Sem saber porquê, deu por si constrangido, invadido por culpas sem lhes apanhar o sentido! Em conflito, à cautela, inibiu o impulso, contrariou o instinto e, reforçou a blindagem que lhe permitia viver em conformidade com a moral prevalecente como um homem de sucesso e, se bem que frustrado, ficou mais descansado, mais próximo da certeza de não ser um pervertido daqueles, que lhe habitavam o imaginário.
Protegido assim o Ego, couraçado, retirado dos dentes o freio à besta, partiu duro e frio, disposto a vender caro o seu desprazer, decidido a fazer-se obedecer pelos escravos que mantinha acorrentados para disfarçar instintos de que sem saber porquê, tinha vergonha!
Talvez por isso, de sabre em riste ele era o maior valente, de chicote na mão castigava quem mexia, sem dó ou piedade... na guerra, era um mestre e, no geral, a fazer sofrer é que compensava aquela frustração para a qual não encontrava saida.
À noite, com as mãos ensanguentadas dos crimes que fazia e que, esses sim, a moral prevalecente permitia... programava o futuro. Naquele dia, já tinha decidido... ia fazer rastejar as massas, mandar produzir mais canhões e, a seguir, ia matar leões, antes que se acabassem!... Já que tinha que sofrer, não iria sofrer sozinho!...
Deixava soltar um suspiro e caia docemente no sono como um anjinho, balbuciando: mamã.

4 comentários:

NoSilence disse...

A Justiça, neste País, continua ao serviço de criminosos, que a usam para se garantirem impunidade, para punirem o crime de OPINIÃO.
Neste país os cidadãos não têm direito à indignação, nem a denunciarem os crimes a que assistem, nem...
Essa é a principal razão porque somos obrigados, por aqui, a manter o anonimato
Este post deve-se ao facto de terem aparecido, no DIAP, dois processos, por denúncia caloniosa e difamação, etc. onde consta o documento que se transcreve abaixo
Um dos processos: nº 13158/04.OTDLSB-0700, é da autoria de José Maria Martins, o mafioso, nazi, advogado do Bibi, contra as 12 pessoas que assinam o documento publicado neste post de Sociocracia
O outro processo: nº3186/04.1JFLSB, é de autoria de Dias André e Rosa Mota, inspectores da P.J., (outros dois mafiosos, que tanto destroem o prestígio da P.J. e da Justiça) tendo por base o documento que se segue:
...
"À Procuradoria Geral da República
Rua da Escola Politécnica
LISBOA
DENÚNCIA
Fulana (seguem-se os elementos de identificação),
Vem denunciar os actos de conspiração contra o Estado de Direito, contra a democracia e contra a própria segurança do Estado que têm vindo a ser praticados por associações criminosas, através do aparelho do Estado, das Instâncias Judiciais e da comunicação Social. Constituindo o resultado daquilo que a denunciante designa “CRIMINALIDADE INSTITUCIONALIZADA”, já há muito tempo… Ler mais em: http://muimentiroso.blogspot.com

Ana disse...

Por onde anda a tua escrita que já não aquece as minhas noites?
Tenho saudades de te ler!
Beijokinhas odces
Ana

Biranta disse...

As televisões portuguesas (e os outros órgãos de comunicação social) têm vindo a censurar documentários e entrevistas passados na CNN e na Fox News. Porque é que as estações nacionais escondem aquilo que os cidadãos americanos têm vindo a saber?
Por isso, para furar este cerco de censura, absurdo, deixo-vos com este artigo, publicado em:
http://sociocracia.blogspot.com ou em:
http://paramimtantofaz.blogspot.com/ e em:
http://wwweditorial.blogspot.com/

(se outros houver outras reproduções, solicito que me informem)

Que confiança podemos ter nas "nossas" notícias, quando nos ocultam factos destes? Que crédito nos podem merecer os nossos meios de comunicação?
Ajudem a furar este cerco censório, que faz de nós um país atrasado, um país do terceiro mundo, sujeito a uma ditadura absurda, controlada por Washington... mais até do que a própria América, divulguem esta mensagem, por favor!

Na semana passada, o actor norte-americano Charlie Sheen (do filme Platoon – Os Bravos do Pelotão, Wall Street) colocou a carreira em risco ao dar duas entrevistas ao activista Alex Jones, nas quais pôs em causa a versão oficial dos atentados de 11 de Setembro de 2001.

Foi desta forma que ele se juntou a um grupo de centenas de personalidades que, nos últimos quatro anos e meio, têm vindo a público afirmar que a versão oficial não só é implausível como impossível, chegando a violar as próprias Leis da Física.

Este grupo inclui Andreas Von Bülow, antigo ministro da Defesa e da Tecnologia da Alemanha e ex-director dos Serviços Secretos Alemães;

Michael Meacher, ex-ministro do Ambiente do governo britânico de Tony Blair;

Ray McGovern, antigo conselheiro presidencial e ex-analista da CIA;

Paul Craig Roberts, Secretário do Tesouro durante o mandato do ex-presidente norte-americano Ronald Reagan e pai da sua política económica;

Robert Bowman, antigo director do Programa de Defesa Espacial Star Wars e ex-coronel da Força Aérea dos EUA;

Steven Jones, Professor de Física da Universidade de Brigham;

David Shayler, ex-oficial do MI5, os serviços secretos britânicos;

Morgan Reynolds, Professor catedrático da Universidade A&M do Texas que integrou o governo do actual presidente norte-americano George W. Bush durante o seu primeiro mandato, e muitos, muitos outros.



No entanto Charlie Sheen fez na semana passada o que ilustres investigadores, professores catedráticos e ex-ministros não conseguiram durante quase cinco anos: furar a censura e conseguir algum tempo de antena num programa da CNN, que transmitiu as suas declarações e expôs milhões de pessoas a factos sobre o 11 de Setembro que têm sido permanentemente ocultados.

Para ler mais e aceder aos "links" consultar um dos blogues referidos

Biranta disse...

Queria sugerir mais uma visita ao meu blog, SOCIOCRACIA, onde coligi uma série de elementos sobre "o Negócio do Medo". Há para todos os gostos, desde os factos fortemente indiciados, até "teorias da conspiração", plausíveis. Tudo para demonstrar que há muita gente cuja consciência está a ser "agredida" pela campanha de medo da comunicação social e pela censura cerrada e cretina a este tipo de notícias... Peço a todos que divulguem, de modo a criar uma corrente que não possa mais ser ignorada...